quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

#DL 2012 - Ana Karênina (Liev Tolstói)


 "Todas as famílias felizes são parecidas entre si. As infelizes são infelizes cada uma a sua maneira."

É com essa frase que começamos a ler "Ana Karênina" de Liev Tolstói. E enquanto avançamos na leitura, vamos percebendo que ela faz algum sentido nas histórias que se entrelaçam.

Nesse livro não há um personagem central, apesar do nome sugerir isso. Podemos imergir na história da própria Ana, como também de outras pessoas que se ligam à vida dela de alguma forma. Em cada fase da história Tolstói evidencia um dos personagens e intercala as histórias, por vezes até misturando-as. Para mim os personagens principais são Ana e Liêvin.

Ana é casada e tem um filho, sua vida é tão normal como de tantas outras mulheres, no entanto ao descobrir o amor em outro homem, tudo muda para ela. Todo seu autocontrole se esvai e ela agora tem que lidar com sentimentos que até então não conhecia, é obrigada a fazer escolhas difíceis em sua vida em nome desse amor e essas escolhas, como sempre, geram consequências, algumas demasiado pesadas para ela.

Liêvin é o mais analítico de todos os personagens, e o meu preferido também. Durante toda a história podemos acompanhar seus devaneios sobre inúmeros assuntos, desde seu amor por Kitty e sua aspiração em se casar até questões relacionadas à política e economia rural.

Apesar do livro ter sido publicado no fim do século XIX sua essência é muito atual: como nossas opiniões mudam dependendo do ponto de vista que temos. Todos se transformam na história, por muitos motivos. Essas transformações não tem nada de extraordinário, são mudanças que acontecem na vida de cada um de nós, amores que deixam de ser amores, novas crenças, arrependimentos, desilusões, recomeço.

Ajudinha: Como toda literatura russa, é muito fácil nos confundirmos com os nomes. Pra ajudar um pouco fiz uma árvore genealógica com os principais personagens e seus nomes mais usados.

2 comentários:

Sharon Caleffi disse...

Também estou lendo a Anna e está meio arrastado. Não é difícil e até é gostoso, mas dá preguiça!

livroecafe.com disse...

Que legal essa sua ideia de árvore genealógica! Eu tenho um romance para ler chamado "Os Anos", são tantos personagens que acho que vou usar a sua ideia da árvore! :)

Resenha ótima, nunca li Tolstói, mas fiquei curiosa!

Um beijo e obrigada por indicar o meu blog por aqui.

Francine